Início

Fuso CPLP

Instituição

Bem - Vindo

Esta é a página de boas vindas ao sítio web da Fundação Pro Justitiae.

Temos como uma verdade incontestável que a Língua, as culturas, as vivências interactivas dos povos de expressão lusa, os valores que os informam e que lhes imprimem carácter, constituem verdadeiros portais franqueados sobre o Mundo e para ele.

Reconhecendo que, entre povos amigos, se têm verificado múltiplas realizações cujos resultados incentivam sempre a uma maior consolidação do diálogo cultural, surgiu a proposta do Projecto Às Portas do Mundo. Pretende-se, através da sua implementação, desenvolver uma intervenção cultural e social inédita nos países irmanados pela Língua portuguesa.



*Decisão inédita permite julgar os swaps em Portugal* PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias

 

Tribunais portugueses podem agora julgar swaps do banco britânico, em vez

de Inglaterra. Relação tem em mãos dois recursos que podem ser decisivos

para as empresas nos processos apresentados após perdas

 

Rosa Soares

 

O Tribunal da Relação de Lisboa declarou nula a cláusula dos contratos de

permuta de taxas de juro (swap) do banco Barclays, que impõe o recurso a

tribunais ingleses em caso de litígio. O acórdão, que reconhece

"competência internacional dos tribunais portugueses" nesta matéria, pode

incentivar mais empresas nacionais com swaps contratados com o banco inglês

a avançar para os tribunais nacionais.

 

A decisão da Relação só se aplica ao processo que foi objecto de recurso,

não fazendo jurisprudência directa, mas tem capacidade para influenciar

outras decisões dos tribunais de primeira instância, explicou ao PÚBLICO o

advogado Pedro Marinho Falcão, responsável pelo processo em causa.

 

O jurista adiantou ainda que a decisão, tomada por unanimidade pelo

colectivo de juízes da Relação, também incentiva outros recursos de

decisões de primeira instância que venham a considerar a acção improcedente

nos tribunais nacionais com base na referida cláusula.

 

Pedro Marinho Falcão tem em curso mais cerca de uma dezena de processos

contra o Barclays, no valor de 10 milhões de euros, a que vai juntar o

acórdão da Relação. O advogado tem ainda mais duas dezenas de processos de

empresas portugueses contra o banco Santander Totta e, em menor número,

contra o BPI. O valor do conjunto destas acções, avançadas na sequência das

elevadas perdas sofridas pelas empresas portuguesas com os referidos

contratos, ascende entre 30 e 40 milhões de euros.

 

Pedro Marinho Falcão admite que o recurso a tribunais ingleses, como o

Barclays estava a exigir nos processos apresentados em Portugal, era um

impedimento para pequenas empresas, até pelo custo de contratação de

advogados locais. No caso de contratos de 15 ou 20 milhões de euros o

constrangimento é menor.

 

O acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa estabelece que "a validade de

uma cláusula que elege um foro como sendo o competente para dirimir um

litígio tem que ser analisada à luz dos inconvenientes que a mesma envolve

para os potenciais aderentes".

 

Refere ainda que "a distância da sede da apelante em relação ao foro

estabelecido (...) cria graves inconvenientes e é potencialmente dissuasora

do recurso aos tribunais pelos aderentes que não sejam nacionais ou não

tenham sede ou representação nesse país estrangeiro". Conclui o acórdão que

a "a cláusula em apreço é relativamente proibida e, consequentemente,

nula".

 

Apesar dos custos, algumas empresas estavam a avançar para os tribunais

ingleses, como foi o caso da construtora Domingos da Silva Teixeira (DST),

de Braga, que entretanto chegou a acordo com o Barclays. Os termos da

desistência do processo, que decorria no Tribunal do Comércio de Londres e

em que a empresa portuguesa pede mais de 11 milhões de euros de compensação

por perdas sofridas, não foram divulgados.

 

CEO do Santander visado

 

Neste momento há dois recursos no tribunal da Relação, cujas decisões são

aguardadas com expectativa. São duas decisões nas quais o banco Santander

perdeu na primeira instância. Numa das decisões, o contrato de swap foi

considerado nulo à luz das cláusulas gerais dos contratos. Na outra

decisão, o tribunal condenou o banco a devolver 1,5 milhões de euros a uma

empresa de Lousada, representada por Pedro Marinho Falcão. Nessa decisão, a

relação considerou o contrato em causa "especulativo, de jogo, um contrato

ilícito e, portanto, nulo".

 

Depois desta última decisão, o Santander contratou o escritório de

advogados Uría Menéndez-Proença de Carvalho, um dos maiores do país, para

liderar a sua defesa. A estes processos que se encontram na Relação, o

referido escritório de advogados tem apresentado vários pareceres jurídicos

a contestar a tese do professor de Direito Lebre de Freitas, que defende a

nulidade dos contratos por alteração de circunstâncias (queda abrupta das

taxas Euribor, na sequência da crise financeira). Esta tese foi acolhida

pelo única decisão sobre esta matéria do Supremo tribunal de Justiça,

envolvendo o BBVA.

 

Os pareceres contestam ainda a tese de Hélder Mourato, orientada por Carlos

Ferreira de Almeida, da Faculdade de Direito da Universidade Nova de

Lisboa, e por Amadeu José Ferreira, vice-presidente da Comissão do Mercado

de Valores Mobiliários (CMVM), que analisa um contrato de swap idêntico à

generalidade dos restantes contratos, considerando-o "uma aposta" e "uma

cilada".

 

Desde o início do ano, já foram apresentadas contra o Santander algumas

dezenas de processos, no valor de mais de 300 milhões de euros. Numa das

acções, é visado o banco, mas também alguns quadros, entre os quais o seu

presidente, António Vieira Monteiro.

 

*Público 2014.04.23*

 
«InícioAnterior12345678910SeguinteFinal»

Pág. 4 de 616
 

Entrar



Faixa publicitária